“Mãe”

CrônicaMae

De todas as pessoas que busquei neste mundo, de todas as que quis estar perto, foi você quem eu escolhi para compartilhar a maior experiência da minha vida: a minha transformação em matéria, a minha formação como ser humano, a base para a minha jornada neste plano que costumamos chamar de  “vida”.

Você foi a ponte que fez meu diálogo com o mundo, que me apresentou as coisas boas e que suportou ao meu lado todas as ruins. Você foi meu alicerce, minha casa e o sopro de alívio para todas as minhas feridas.

Você buscou me dar tudo o que você teve, tudo o que não teve, tudo que eu quis e tudo que você achou que seria importante para mim. Você tentou me dar “tudo”; e nesse tudo veio junto a sua dedicação, a sua preocupação e, até mesmo, a sua chatice em tentar me transformar em um alguém perfeito. Sim, você sempre disse que eu era perfeito para você, exatamente da forma que eu vim para o mundo, mas que você precisava que eu superasse ainda mais as minhas expectativas, para que o mundo conseguisse enxergar o que você via de forma tão clara e transparente…

Você me incentivou e me estimulou a ultrapassar todos os limites que eu ou eles me impuseram, você acreditou em mim quando eu mesmo já havia perdido as esperanças e chorou em silêncio cada vez em que meu fracasso era inevitável. Você encontrou palavras para me encorajar e me fazer seguir, mesmo quando você já não tinha forças para se levantar; e você me disse que era fácil, mesmo com tantas dúvidas na sua mente.

Você errou muito também… ah! como errou. Mas eu não posso julgar seus erros, pois eles foram feitos por uma pessoa que tentava acertar; eles foram o resultado do amor extremo que você sentia, que acabou se transformando em medo. Então, chego a conclusão de que até seus erros estão embasados na categoria de amor, aquela que transforma tudo de ruim em algo bom demais, assim como quando escutamos o som do seu nome, que é tão universal quanto particular para você: “Mãe”.

Fui! ( Comemorar minha vida dentro e fora do seu corpo…)

Assista a crônica no Canal do Youtube: Link para a Crônica “Mãe”

Cris Coelho

A minha literatura é livre de estereótipos, padrões e convenções. Ela entrega poesia onde há cotidiano. E renova minha fé em mim e no mundo. Cris Coelho, Escritora & Poetisa