Meus Desejos

Desejo que seus dias sejam repletos de cor, de sorrisos e de sabores doces. Desejo que a chuva que caia sobre seu corpo molhe você com gotas de inspiração, daquelas que limpam e energizam, sempre com as melhores vibrações que os nossos guias podem trazer. 

Desejo que você se lembre dos melhores momentos que viveu ao meu lado, e que você os reviva todas as vezes em que a sua memória chamar pelo meu nome. Desejo que você esteja plena de si, em sua melhor versão, para que, na hora em que precisar se despedir, não sofra tanto; para que consiga até esquecer o quanto era bom ficarmos guardadas dentro desse enorme guarda-chuva, que tinha a difícil tarefa de nos deixar secas e prontas para a festa, que começava sempre antes do combinado…

Desejo que você compre novas roupas, daquelas bem modernas e elegantes, mas que conserve algumas poucas peças da época em que seu corpo era inexplorado pelo gosto do mundo que nos cerca; da época em que esses sabores ainda eram novos amigos de caminhada, prontos para serem degustados a cada nova parada…

Desejo, por fim, que seu final seja atrasado e que que seus passos sejam certeiros e gentis, assim como suas palavras, que trazem conforto a quem é presenteado por elas, mesmo quando apenas se escutam as notas graves da sua voz em pequenas saudações matinais. 

E desejo ainda, sem mais delongas, que você use seu fone cada vez que cruzar contra o vento gelado, que traz as agonias que eles sussurram, sorrateiros, nos seus ouvidos delicados. Use-os como um amuleto da sorte e encontre razão nas melodias dos antigos compositores, que não explicam muito bem o propósito de algumas canções, mas que nos agasalham como nossas roupas antigas e nos protegem como aquele enorme guarda-chuva que costumávamos usar nos dias de tempestade…

Fui! (Desejar sorte para você…)

Cris Coelho

A minha literatura é livre de estereótipos, padrões e convenções. Ela entrega poesia onde há cotidiano. E renova minha fé em mim e no mundo. Cris Coelho, Escritora & Poetisa