Skip to content

Traição

fevereiro 24, 2012

Quem não te conhece que te compre… Já diziam os antigos. Traição é sempre um tema complicado, que machuca quem recebe e deixa culpado quem trai. Cria um vazio, um espaço descoberto em uma casa, onde sempre que chove, molha a parte de dentro. E pode usar balde, panos e mais panos que sempre vai estar aí, aquele “rombo no teto”.
Alguns casais superam e, às vezes, até melhoram o que estava mal. Outros casais sucumbem e se separam. Mas o pior são os casais que fingem que superam, mas que passam a viver a vida para “massacrar” a parte alheia. Passam a agir com tamanha raiva que transformam a posição de “vítimas” para “agressores”. Muitas vezes, o fato do seu querido se sentir atraído e manifestar essa atração pelo “objeto maldito” não é o cerne da questão. Machuca, é claro, mas não é absoluto no contexto da dor arrebatadora da traição. O que mais atormenta nesse processo de recuperaçao “pós-trauma-de-corno” é o pensamento insistente de que a outra parte, ou o “objeto odiado”, sinta prazer. O deleite do outro pode machucar muito mais do que o deleite do nosso próprio traidor. Que ele sinta prazer, tesão e gozo já é insuportavelmente horrível. Mas que o outro sinta qualquer “cosquinha” aí é mortal!!!!
A verdade universal é que trair não é legal e ser traído muito menos. Mas… Ser dominado pela vaidade absoluta e implacável e deixar de viver bons momentos só porque temos ao nosso lado aquele velho amigo chamado orgulho, aí já é demais…
E tem sempre a loja de construçao do seu Zé na esquina da Farme com a Prudente. Lá as telhas são de ótima qualidade… Mãos à obra!

 

 

www.mariapoeta.com

Com gosto de bebida beijou minha boca. Senti em seu hálito um leve toque de outra mulher. Bebi seu néctar e entreguei mais que meu corpo. Fui sua em todos os momentos em que você era de outra. Me colocou no trono enquanto colocava outra na nossa cama. Senão sempre em matéria, muitas vezes em desejo. Divido meu gozo e minha alegria e você só me traz o gosto amargo do seu deleite com ela. Quem é ela? Por que te faz sentir o que eu não consigo? Qual é a diferença anatômica das nossas terminações? Se seus gemidos são mais cálidos, o meu já se calou. Se apagou em meio aos pensamentos indigestos das horas de contraste da sua língua e do toque dela. O que mais me aflige nao é o seu gozo, mas o sorriso de satisfaçao dela depois de ter estado com você…

No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: