A Forma

A Dra Rosa Araya, diabetóloga especializada em nutrição, tem uma teoria interessante: o que importa não é propriamente (guardados os devidos exageros) a comida em si, mas, basicamente, a forma com que recebemos essa comida. Um exemplo clássico da sua teoria é que, se colocados lado a lado um suco e a mesma quantidade de frutas utilizadas para fazer esse suco, o melhor para não “engordar” é comer as frutas e não tomar o suco. Isso porque o suco já vem processado, ou seja, já vem “mastigado” para o estômago, enquanto a fruta ativa o processo de digestão, ainda na boca, o que estimula a “digestão completa”.
Não sou especialista nesse tema e não sei se essa teoria está certa… O que me encanta nessa história é a aplicaçao do conceito “forma”.A forma como se trabalham a matéria, o produto ou a informação é o que vai definir o resultado final. O melhor resultado vai ser encontrado, se utilizada a melhor forma… E aí vai por água abaixo o conceito de “o fim justifica os meios”… Mas, se são os meios certos que levam a um melhor fim, então, o meio é fundamental!
Da mesma forma, a informação que recebemos não é simplesmente terminada nela, senão que resultado da forma com que foi passada. É sempre bom ser cuidadoso com a utilização exagerada do e-mail para passar simples recados. Às vezes, o mais básico e-mail se transforma em um problema de relação no trabalho ou mesmo na vida pessoal. A forma como saudamos um vizinho pode determinar a percepção dele sobre nós para sempre. Não que isso faça a diferença na nossa vida… O que faz a diferença, muitas vezes, não é cuidar dos nossos filhos, mas a forma com que cuidamos deles. Isso, muitas vezes, resulta em adultos realizados e felizes ou em adultos problemáticos e cheios de vícios. É também (muitas vezes) a diferença entre um casamento onde o sexo é mecânico e o casamento onde existe tesão. Ou ainda, a diferença de quando recebemos alguém em nossa casa com um copo de água ou com umas comidinhas gostosas e um docinho no final… De novo, a forma com que se recebe é fundamental. A forma que demonstra carinho e o quanto esse alguém é especial.
É como, quando entregamos um relatório com diagramaçao. A diagramaçao faz toda a diferença… Porque nao é só cuidar, transar e receber. É a forma com que fazemos isso.
A sincera forma com que olhamos para alguém e dizemos “eu te amo”. Isso faz toda diferença…

Cris Coelho

A minha literatura é livre de estereótipos, padrões e convenções. Ela entrega poesia onde há cotidiano. E renova minha fé em mim e no mundo. Cris Coelho, Escritora & Poetisa

One thought on “A Forma

  1. Patricia Gama disse:

    Perfecto!

Comments are closed.