Deixe-me Ir…

Quando chegar a minha hora, deixe que eu siga meu caminho. Não me impeça de buscar aquilo que preencherá o vazio que minha alma carregou por tantos anos e não dificulte ainda mais a minha despedida; saiba que eu vou feliz e que seguirei em paz se tiver a certeza de que você ficará bem sem a minha presença ao seu lado.

Entenda, por favor, que eu não estou indo embora, apenas mudando de posição. Neste exato momento eu passo a fazer parte de você, em um cantinho muito especial que você reservou, do lado esquerdo do seu corpo. A partir de agora, eu serei a luz que rutilará lampejos de verdade nos momentos mais difíceis, serei aquele sopro de esperança que vai encorajá-la a buscar algo além do que você consegue enxergar e, por fim, serei a sua inspiração transformada em sexto-sentido, que dirá exatamente qual caminho você deve escolher para encontrar a si mesma em uma versão ainda melhor.

Então, de novo, não me prenda dentro da sua angústia e não me faça prisioneira do seu egoísmo. Deixe-ir com a certeza de que você continuará a sua caminhada com menos peso do que quando estive ao seu lado; deixe-me levar um pouco dessa bagagem e ajudá-la a cruzar esta estrada, que é difícil, mas ao mesmo tempo, apaixonante…

Fui! (ali na frente…)

Cris Coelho

A minha literatura é livre de estereótipos, padrões e convenções. Ela entrega poesia onde há cotidiano. E renova minha fé em mim e no mundo. Cris Coelho, Escritora & Poetisa