Pular para o conteúdo

Na Minha Época

dezembro 31, 2016

https://i1.wp.com/cdn.revistadonna.clicrbs.com.br/wp-content/uploads/sites/5/2013/08/smiling-young-woman-with-arms-out-low-angle-view.jpg

Escuto dizer “na minha época” como se eu pertencesse sempre a um tempo passado. Como se o tempo legítimo da minha existência fosse apenas aquele em que eu desfrutava da minha vigorosa juventude. Como se a jovialidade marcasse nos ponteiros do grande relógio o tempo a que pertencemos, aquele tempo que podemos chamar de “nosso”. O nosso tempo, na “nossa época”.

Esse tempo não é irreal nem contraditório. Ele é sim o nosso tempo, ou pelo menos parte dele. É um fragmento do tempo que temos, destacado pelos anos jovens que experimentamos viver bem, ainda que na clandestinidade da nossa tão invejada maturidade.

Se é na juventude que definimos os nossos tempos, seria no mínimo ilegítimo vivermos tão plenamente os outros tempos que roubamos da vida. Mas a verdade maior é que não existe o “nosso tempo”.  O que existe é a nossa vida, dividida em momentos preciosos, nas diferentes etapas em que existimos.

E o meu tempo, é o “agora”…

Fui! (Comemorar a chegada de mais um ano novo da minha época!)

 

No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: