Renego

renego

Em oposição a todos os bons e fiéis, eu renego muitos, vários.

Renego todos os que me fazem mal. Renego aqueles que não me fazem mal, mas que também não me causam emoção. Os renego sem pena e sem pudor. Não os quero perto nem longe. Simplesmente não os quero. Penso que o Mundo é muito maior do que alcançam meus olhos, mas ainda assim não os quero na minha paisagem.

Renego os que não são “meus”, meus amigos ou meus inimigos, todos os que não fazem parte da minha história. Renego causas boas que não compactuam com minha mente preconceituosa. Renego todos e tudo o que não conversam com a minha alma infantil e pequena. Sou mais livre amando e odiando na mesma proporção, sem medo de relatar minhas angústias e preconceitos, e sem um tom certo para os agudos que gritam dentro de mim ao renegar quem não compactua com as minhas crenças

Fui! (renegar todas as sombras que insistem em caminhar a meu lado e buscar meu sol, onde quer que ele esteja…)

Cris Coelho

A minha literatura é livre de estereótipos, padrões e convenções. Ela entrega poesia onde há cotidiano. E renova minha fé em mim e no mundo. Cris Coelho, Escritora & Poetisa