Reencontro

meu

Largos horizontes nos fazem caminhar muito e para bem longe. E muitas vezes nem nos damos conta de que nos perdemos em alguma esquina…  Quando paramos, finalmente, nos descobrimos sem rumo, sem norte. E a orientação que precisamos não vem com uma bússola para indicar nos o caminho a seguir, mas com o retorno ao velho caminho para encontrar os fragmentos de nós que deixamos no acostamento.

E repensar nossos novos valores em busca dos velhos, ou reencontrarmos a nós, mesmo em uma versão mais careta e ultrapassada, pode nos ajudar a modelar o novo “eu” que queremos construir. Porque nem tudo o que ficou para trás é pior ou menos providencial. O antigo, às vezes, funciona melhor que o moderno quando escalamos os atributos que nos classificam como um alguém “melhor”.

O parâmetro ou ponto de vista menos oportuno no passado pode ser, e muitas vezes é, o ideal para o nosso momento futuro. Sermos realistas e menos exigentes não nos torna acomodados, nos torna possíveis.

E a possibilidade de me reinventar todas as vezes que me reencontro com meu passado é o que me motiva a seguir em frente, com horizontes mais amplos e desafiadores.

Fui! (me reencontrar no ponto de táxi em que me perdi, um pouco antes do carnaval…)

Cris Coelho

A minha literatura é livre de estereótipos, padrões e convenções. Ela entrega poesia onde há cotidiano. E renova minha fé em mim e no mundo. Cris Coelho, Escritora & Poetisa

2 thoughts on “Reencontro

  1. Muito boa sua análise meu querido Mariel… Vamos sim partir em busca de novos horizontes, perdidos em nossas certezas e “encontrados” em nossas emoções… Nos vemos no ponto de táxi!
    Bjs, Maria Scarlet

  2. E quem disse que perder-se é de um todo ruim. Porque foi nos perdendo das nossas certezas absolutas que encontrarmos o espaço de novos argumentos, outros postos de vista e novos pontos de partida que podem, sim, ser um ponto de taxi.

Comments are closed.