Skip to content

Chefe

agosto 22, 2012

“Quem tem chefe é índio!” Já dizia o antigo ditado… E, de uma certa forma, todos nós somos um pouco “índios” em algum momento. Lidar com essa figura faz parte da vida, e os conflitos relacionados a “ele”, o todo poderoso “chefe” do nosso labor, é parte inerente do nosso crescimento profissional…
Quem nunca teve um chefe que se insinuou? E quantas vezes tivemos que nos controlar para não mandá-lo àquele lugar? Maledicências à parte, curioso é que no inconsciente (e também no consciente) coletivo, o “chefe” é sempre aquele que nos priva, que nos cerceia, que nos coíbe. Ele é o juiz dos nossos tribunais fora de casa, que nos estimula ou nos extirpa (depende do ponto de vista) até conseguirmos uma promoção.  Tudo bem, afinal chegar a uma promoção é um bom final para um enredo cheio de altos e baixos, entre dominador e dominado.
Enquanto estamos na terra das disputas de ego, do poder da última palavra e da vaidade do “manda quem pode, obedece quem tem juízo”, ok… O problema é quando chegamos no perigoso estágio da disputa de habilidades, de competências. Aí mesmo é que o “cacique” resolve fumar… E a vida laboral do pobre cidadão pode virar um verdadeiro inferno. Muitas vezes, melhor mesmo é parecer-se  incompleto para evitar dores de cabeça (ou na bunda!).
Mas como toda boa tribo, sempre tem o dia em que o “chefe” passa o bastão. E nos dias atuais, o chefe, muitas vezes, é o próprio “bastão”…
Fui! (fumar meu cachimbo da paz…)

No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: