O Que a Cinderela Quer?

E de repente o sonho de toda uma juventude se foi… as Cinderelas perderam seus status e passaram a ser as cortesãs da cidade, sempre em busca de um pouco mais de algo que elas mesmas nem sabiam ao certo o que era… 

No começo, elas descobriram que seu orgasmo era mais importante que seu recato, e com isso quiseram experimentar várias formas de prazer e ousaram ser autênticas em um mundo de pura hipocrisia. Mas descobriram, sem tardar muito, que o português é essencialmente masculino no quesito “qualidade”,  que esconde o gênero feminino sem nenhum pudor ou vaidade; descobriram também que, por mais que se esforçassem em permanecer belas, as Cinderelas, inevitavelmente, seriam trocadas por outras ainda mais belas, ou mais jovens, ou mesmo, mais livres. 

Elas aceitaram continuar com seus afazeres domésticos após receberem seu pesado anel, tão pesado quanto o fardo do dia a dia, que lhes cansavam a visão e lhes enchiam de pequenas coisas chamadas ansiedade, frustação e desânimo. As Cinderelas aceitaram parir o fruto desta união, que lhes entregou uma nova perspectiva de amor e, igualmente de cansaço.

Elas tentaram voltar para o trabalho, algumas conseguiram, outras não. Continuaram a tentar então. Mantiveram-se firmes no propósito de ter uma casa arrumada, uma mente sã e uma geladeira abastecida de todas as comidas mais saudáveis possíveis. Ensinaram suas crias que a vida regrada e dentro dos limites é a vida segura, que vai lhes favorecer o sucesso no futuro e, assim que os seus  iam dormir, se afundava em comprimidos, taças de vinho e pedaços de chocolate. 

As Cinderelas da vida moderna viram seu amor sair pela porta que um dia entraram juntos, rumo à uma vida feliz, cheia de expectativas e promessas. Hoje elas descobrem seus orgasmos com estranhos de aplicativos de relacionamento, fazem massagem tântrica e lêem conteúdo erótico. Elas não se cansam de escolher novas formas de sentir prazer, apesar de sua pele mais áspera e ressecada, apesar dos vários acessórios que juntaram pelo caminho…

Elas tiveram que sonhar outros sonhos, alguns bem diferentes do que haviam sido ensinadas a sonhar. E acabaram descobrindo que o seu querer inicial não era bem o “príncipe”, mas sim um vestido lindo e uma festa foda…

Fui! (Ensinar minha filha a escolher melhor seu vestido…)

“Afliceta”

Boca vermelha

Mulher não tem raiva. Não tem rancor, não tem mágoa. Mulher não tem ansiedade, e também não tem “ataque”. Mulher tem apenas um único e pequeno defeito: a “afliceta”. Aquela sensação de que vai explodir se alguém passar sua frente em uma fila ou se a deixar com a frase incompleta… Mulher não se sente feia, sente “afliceta” por uma outra fêmea ocupar seu espaço no campeonato do “rol das belezuras”. Mulher não sente ciúmes ou possessão. Sente é “afliceta” pela conquista da concorrência ou pela mudança de foco, ainda que temporária, do seu objeto de prazer.

Mulher não tem problemas no trabalho. Tem é “afliceta” de não ser reconhecida ou de não ser entendida em sua TPM. Mulher não é gananciosa, tem é “afliceta” pelo dinheiro. Também não é autoritária, só tem “afliceta” por mandar. Mulher não é impulsiva, tem apenas um pouco de “afliceta” para que as coisas se realizem rápido e no tempo dela. 

E por fim, mulher não tem orgasmo, tem é “afliceta concluída”…

Fui! (concluir…)