Elas Podem Tudo

Elas podem tudo, só não sabiam antes…

Elas caminharam durante muito tempo tentando conviver com o fardo de cuidar, amar e ser útil aos que delas precisassem; elas tentaram aprender o idioma arcaico do sucesso e vasculharam formas para se adaptar a um padrão que lhes foi imposto desde sempre; que permeou todas as gerações de suas ancestrais e que as escravizou em um sistema ambíguo, espremido entre as sensações de culpa e devoção.

Elas foram além e brigaram por direitos que nem sabiam ao certo se vestiriam seus corpos com o mesmo caimento que serviam a seus eufóricos senhores; fugiram para onde podiam e pariram o fruto de um amor que era dos dois, mas cujos cuidados terminavam somente em suas delicadas mãos.

Emprestaram seus corpos para o prazer fugaz e momentâneo de orgasmos relaxantes e em compassos de renovação de votos, para preservar o pouco que as detinha em esperanças fortuitas de manterem a sua virtude ou, ao menos, a sua vida.

Elas pediram perdão por crimes que não cometeram e esqueceram de cobrar pelos machucados que angariaram pelo caminho de sua tortuosa estrada.

Elas se esqueceram que podiam, se esqueceram de quem eram.

E por muito tempo, elas acharam que não podiam quase nada. Mas isso mudou quando o mundo que conhecemos começou a desmoronar, quando as barreiras impostas foram derrubadas e quando algumas delas alcançaram um lugar de destaque no centro do poder dos homens. Muitos deles se curvaram, alguns questionaram e outros as mataram.

Mas elas não vão parar, afinal, elas podem tudo e agora já sabem disso.

Fui! (Juntar-me a elas…)

Cris Coelho

A minha literatura é livre de estereótipos, padrões e convenções. Ela entrega poesia onde há cotidiano. E renova minha fé em mim e no mundo. Cris Coelho, Escritora & Poetisa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.