Quero dar meu “furo”…

Quero poder dar o meu furo de forma feroz e lasciva; quero abster meu ser de recato e sensatez e proliferar a divina agonia que antecede o gozo preliminar e fulgaz, aquele que não precede de julgamentos e de ressalvas, e que imprime dor e prazer na mesma intensidade viril que projetam os homens de bem de uma sociedade falida e dependente de sexo bom na mesma medida da sua ordem e seu progresso…

Cris Coelho

A minha literatura é livre de estereótipos, padrões e convenções. Ela entrega poesia onde há cotidiano. E renova minha fé em mim e no mundo. Cris Coelho, Escritora & Poetisa