Efêmero

O medo que existe não é de você, ou de mim. É o do amanhã que nos espera na esquina. Que torna efêmero todo gesto de conquista e prazer. O sexo com gosto de imoral só é imoral enquanto existem novos caminhos a serem explorados. E esses caminhos me levam a todos os cantos do seu corpo, beijando cada centrímetro mais indecente do seu espaço mais privado. Nas horas que antecedem o dia seguinte, não existem barreiras ou limitações para tudo que é passageiro. Mas sempre antes do dia amanhecer…

Cris Coelho

A minha literatura é livre de estereótipos, padrões e convenções. Ela entrega poesia onde há cotidiano. E renova minha fé em mim e no mundo. Cris Coelho, Escritora & Poetisa