Pular para o conteúdo

A Redenção do Rio

abril 12, 2019

Rio-de-Janeiro

A Moça chora pela perda do filho pródigo, e com as mãos ensanguentadas, segura a bala que perfurou o peito preto do menino que sonhava ser jogador de futebol… essa mesma bala também resvalou no cabelo loiro do policial que tentava ajudar, mas que fora impedido pelo chefe do seu batalhão, que era amigo dos caras que vendem armas em cima do morro que leva ao céu mais rápido que o Bondinho do Rio de Janeiro.

Esse mesmo morro abrigava o filho de uma doméstica conhecida da família, a Dona Rosa, que deixou crescer mais espinhos que flores em seu jardim de desilusões… era o seu filho que entregava o pó branco que circulava nas festas do menino Joca, aquele que veio de família rica e que fez faculdade pública, mas que acabou experimentando a erva daninha nas aulas em que cultuava o socialismo puro, quase tão puro quanto o pó que consumiu cada batida do seu frágil coração. 

Dona Rosa hoje consola a moça que chora pela perda do filho e, mesmo sem saber seu nome, se sente próxima pelo sofrimento que a pobre exala pelos poros da sua pele cor de ébano… Dona Rosa pensa em chamar a mulher para se acostar na sua sala, mas sabe que seu marido pode estar em casa, cheio de cachaça e com desejo de bater em mulher desarmada. A moça, então, se levanta e diz que vai encontrar seu outro pretinho na linha do trem para Vigário Geral; ela está cansada de sofrer pelo que não tem remédio pra curar. 

A Moça vai andando pedir esmola na mesma esquina em que alguns travestis se acotovelam para tentar a sorte de terem o que comer neste enorme teatro chamado Lapa. Sandra, a prostituta trans mais famosa da área, percebe a agonia da moça preta que acabara de perder seu valioso rebento e resolve ajudar. Carrega a coitada para o novo lar que Tião lhe presenteou: um apartamento novinho, com dois quartos distribuídos em 55 m2 em um condomínio fechado ma Barra da Tijuca. Foi a troca que Tião fez para calar a amante de tantos anos, aquela por quem ele tem amor e vergonha, em um misto de destino e preconceito; para que Sandra não contasse aos moços do comando da Comunidade que Tião é fruta e é doce, quando não está com o fuzil nas mãos…

Chegando na comunidade, depois de algumas horas de viagem, a moça recebe um copo de água e um pedaço de cobertor velho para se acostar em um canto cheio de sujeira e restos de obra do apartamento mal-acabado no final da rua ilegal em zona de Mata Atlântica devastada.

As águas começam a chorar dos céus, atendendo ao pedido de Redenção da comunidade do Rio de Janeiro, que já não aguenta mais tanto tiro, tanta doença e tanta desgraceira. As águas limpam o cheiro de morte cotidiano impregnado nas esquinas de cada rua da Cidade Maravilhosa e levam alguns para o céu,  para se juntarem a tantos outros, vítimas de todo mal que assola do Paraíso no Inferno de Janeiro…

E, sem pestanejar, a Moça pede para o seu Cristo a sua própria redenção; pede para se unir aos escombros da sua própria existência, em meio ao caos desta Cidade tão linda que um dia chamou de casa. Ele atende seu pedido e, dias depois, leva junto com seu corpo o barraco elegante que fora construído ilegalmente em um terreno que não era de Tião nem de ninguém que ali morava. 

A Moça se levanta e corre em direção ao seu pretinho que havia morrido dias antes. Se encontra com Joca e o filho da Dona Rosa também. Conhece os amigos da Sandra que foram mortos por serem travestis, os amigos do policial de cabelo loiro que havia tentado ajudar, porque esse sim era bom de coração, e conhece o filho do homem que liderava a comunidade em que todos viviam morrendo de medo. O pequeno menino se chamava Lucas e havia morrido de uma febre forte em um dia em que os moços que vestiam branco não tiveram condições de olhar para ele… morreu ali, vítima do mesmo veneno que haviam morrido todos os outros presentes nesta sala celestial. 

Morreram todos de indiferença.

Fui! (..)

Não se importe tanto…

abril 11, 2019

pazes

Se eu pudesse te dar um conselho, só um no meio de tantos que você recebe, seria: “não se importe tanto”. Por quê? Porque somente nós mesmos temos o poder de fazer os incômodos passarem, assim que pararmos de dar tanta importância a eles. 

Sempre que nos sentimos mal, com aquela dor que insiste em nos visitar no meio da tarde, com aquela agonia que surge no meio da madrugada ou com aquela dúvida que não sai do nosso inconsciente, nos esquecemos de percorrer as ladeiras fáceis da nossa versão otimista, aquela que está sempre lá, pronta para nos salvar nos dias de chuva incessantes.

Somos nós quem deveríamos olhar melhor para os outros ângulos desta esfera chamada vida, aqueles que se escondem nos arbustos da nossa vaidade e que nos guiam com segurança para as escolhas mais fáceis, sempre que conseguimos focar neles.

Então, de novo, se você escutar meu conselho, acredite que essa mania de prestar muita atenção aos detalhes chatos da vida é algo muito cotidiano para todos nós, mas muito raro na vida de quem decidiu ser feliz quase o tempo todo…

Fui! (Tentar não me importar tanto…) 

 

Meu Amigo Autista

abril 2, 2019

Cute boy looking through the window

Ele foi classificado como “autista”. Não entendeu realmente o significado deste nome; por certo não por falta de inteligência, mas sim por falta de interesse. Assim são os autistas: pessoas que se interessam por detalhes que muitas vezes nos escapam à vista, que passam por nós de forma despercebida… 

São eles, os “autistas”, que encontram razão onde não conseguimos enxergar nada, que transformam em poesia um simples arabesco de concreto, que meditam em meio ao caos de uma cidade louca como a nossa.

Eles também se desesperam quando não podem quebrar alguma barreira ou quando encontram algum desafio que lhes parece intransponível, mas a diferença deles está mesmo na sua generosidade em nos deixar entrar no Mundo deles. Se ajustam à vibração do tom que usamos, nos acomodam nos contornos do seu olhar sensível e nos revelam, aos poucos, sua vontade genuína.

Os autistas são pequenos seres de luz que se encontram no meio da bifurcação das nossas vontades e do propósito da nossa existência. Eles podem encontrar o caminho para a felicidade em uma fração do tempo que levamos para percorrer esta grande avenida chamada vida…

Fui! (Celebrar a vida com meu amigo autista…)

No Seu Dia…

março 24, 2019

image

No seu dia, espero que esteja pronta. Pronta para entrar no picadeiro da vida adulta, aquela que todos dizem ser a melhor, mas que é a mais perigosa… espero que esteja pronta para se aventurar no mar de rosas que sua cama se tornará cada vez que você precisar refúgio, e espero que esteja pronta para as guerras de controle, espaço e direitos que se inicia neste novo ciclo. 

Saiba que, de todos os caminhos que desejar seguir, o caminho mais suave será o do “consenso”, porque não adianta planejar uma caminhada com apenas uma bússola. O Mundo a dois é muito maior que as rotas pré-definidas e quase todas as opções são válidas, se você se sentir completa. 

Entenda que a linha de chegada é o que menos importa na verdade; importante é saber caminhar nesta estrada torta, que por vezes te mata de sede, em outras te mata de amor. É certo que a paixão termina em algum ponto sombrio, mas sempre que você se lembrar de como se sentia quando estava apaixonada, poderá reviver este sentimento, em todas as vezes em que se imaginar de volta ao seu “grande dia”…

Não pense que a vida a dois será fácil, saiba que ela será fácil, se você quiser. E se o peso de todas as mágoas e desentendimentos não for suportável, existe sempre aquela rota de fuga que veio junto com o kit de salvamento, aquele que você ganhou junto com a sua reluzente aliança. Não hesite em usá-lo caso as suas lágrimas sejam mais constantes que seu sorriso largo e sua gargalhada espontânea. 

Lembre-se, todos os dias desta sua caminhada a dois, que você estará acompanhada, mas  que a caminhada ainda é só sua. Então é você quem decide o caminho que quer seguir, e você também deve escolher o ritmo dos passos e a frequência das paradas para se abrigar da chuva ou tomar um pouco de sol.

Voltando ao seu grande dia, espero que ele seja apenas mais um dos grandes dias que você desfrutará na sua vida colorida e cheia de amor. Espero que você esteja pronta neste dia, mas se não estiver, tudo bem. O importante mesmo é que esteja “feliz”, porque “pronta” é algo que a vida se encarrega de preparar…

Fui! (Desejar sorte no caminho…)

As coisas que eu vi…

março 18, 2019

balanco

Eu vi o tempo passar por mim como se eu não estivesse ali… vi pessoas me julgando, pessoas que queriam meu bem e outras nem tanto. Vi o Mundo se mover de forma estranha, de forma cruel; vi muitas brigas pelo caminho, desentendimentos e orgulhos feridos. Vi a desilusão no rosto de quem jurava acreditar, a descrença de quem pregava a sua fé em todo dia santo, na casa de contemplações, na famosa praça do Centro.

Vi os sonhos de alguns familiares caírem por água quando o filho pródigo mostrou que não era tão especial assim, nem tão bom e nem tão devoto quanto se esperava. Vi as mazelas de tantas traições consumirem os órgãos perfeitos dos que eu amava e os transformarem em produtos da doença do século, daquela que mata mais de desgosto e desamor do que de nicotina ou outras químicas…

Vi a angústia tomar conta dos mais velhos, que já não encontravam razão nas palavras de ordem desta nova sociedade, cheia de objetivos bonitos e preconceitos velados. Vi os álbuns de fotografia serem substituídos por artefatos digitais, desses que nos fazem enaltecer uma beleza que estava aí, mas que não refletia a nossa verdadeira emoção. 

Vi episódios de louvor e clemência; vi derrotas e falhas, choros e lamúrias, mas vi também histórias de fé e superação; vi nos olhos dele a vontade de mudar, de fazer tudo diferente, se tivesse outra oportunidade…

Vi o tempo passar  tão rápido que parece que não consegui aproveitar direito a beleza que é viver ao lado deles, dos meus amores mais plenos. Porém, vi seus sorrisos quando pensavam na história que construímos, quando se lembravam de nós em todos os momentos alegres que desfrutamos, no breve espaço de tempo que nos foi permitido compartilhar nosso amor, e isso bastou para acalmar meu coração angustiado por perfeição.

Vi muitas coisas nesta jornada deliciosa chamada “vida”. É certo que o caminho nem sempre foi fácil, mas continua sendo foi muito, muito prazeroso percorrê-lo ao lado deles, dos meus amores…

Fui! (Continuar minha caminhada…)

“Eu Mesma”

março 12, 2019

eu

Quero acreditar que posso ser melhor que eu mesma; quero poder ser aquilo que sonhei: a melhor de todas, a mais rápida, a mais esperta… e sempre que chego nesta bifurcação, encontro milhões de razões para duvidar dos meus planos. 

Não são metas ousadas, mas, muitas vezes, são obstáculos muito distantes para as minhas pernas curtas, e são difíceis de alcançar porque uma parte de mim não quer realmente seguir este caminho, o caminho que os outros traçaram e me seduziram a seguir nele. Lá no fundo da minha alma, anseio por um caminho mais suave, um com sombra e brisa para me aconchegar nos momentos em que eu me sentir cansada, naqueles em que eu estiver pensando em desistir.  

Não vou desistir de trilhar o caminho que eu escolhi, mesmo sendo mais distante da casa dos meus amigos de caminhada, afinal, é o caminho que me leva ao lugar que eu escolhi chamar de “lar”.  Esse lar que em nada se parece com a casa dos sonhos deles, faz com que eu me lembre a todo momento o quanto sou melhor que eu mesma, em um duelo que parece não terminar nunca, onde a única pessoa que precisa de clemência ou, ao menos, uma “trégua”, sou eu mesma.  Porque eu posso sim ser tudo aquilo que sonhei, posso ser a melhor de todas as minhas versões, incluindo a mais esperta e a mais rápida. 

Basta querer e parar de duvidar de mim mesma. Porque o tempo inteiro sempre foi sobre isso: “eu mesma tentando encontrar meu caminho”. 

Fui! (Acreditar…)

Não me dê parabéns…

março 8, 2019

feminicidio2

Não me dê parabéns, me proteja.

Não me congratule pelo dia de hoje, me respeite.

Não me dê sua cortesia, me entregue minha carta de alforria.

Não me homenageie, me promova.

Não me coloque em um pedestal, me entregue suas armas e lute ao meu lado.

Não me classifique como frágil, me dê coragem.

Não me intimide, me aceite.

Não me diga o que fazer, me diga como você gostaria que fosse feito e eu te digo se será desta forma.

Não me cale, me escute.

Não me classifique, me dê neutralidade.

Não me coloque em um lugar restrito, me liberte do seu egoísmo.

Não me demonstre esse desejo explícito, me olhe, me corteje e espere que eu te diga “sim”.

Não me bloqueie, me deixe seguir.

Não me anule, me permita ir além.

Não me machuque, me deixe viver.

Fui! (Lutar…)