Skip to content

Mais Viva do que Nunca

março 15, 2018

Quando pensar em mim, pense com felicidade. Porque eu fiz o que queria: levar as minhas palavras aos ouvidos de quem se recusava a ouvi-las. Levantei a minha voz em um tom ainda mais alto, mais potente e com maior alcance. 

Hoje eu sou a prova viva de que existe esperança, e de que a vida é algo muito precioso para ser banalizada, descartada ou mesmo classificada. Sou o rosto da luta, da vontade de fazer algo, da mudança. Não me calarei, não sentirei medo e não fugirei da minha luta. Dessa luta que é minha e de tantas outras Marielles, tantas que eu nem consigo contar, mas que hoje posso sentir…

Tentaram me calar, mas a minha mensagem já havia sido dada. E está sendo passada agora, e será endereçada às novas gerações, que encontrarão em mim mais uma razão para continuarem a lutar contra tudo e todos que nos dizem “não”. Porque o mundo é muito maior que lutas de classes ou diferentes cores de bandeiras; o Mundo é enorme e é nosso também.

Então, de novo, não chore pela minha ausência, eu estou mais presente do que nunca. E além de presente, agora eu sou onipotente.

Fui! (lutar…)

O Palhaço da Vida

março 7, 2018

Feito de giz está o esboço do pobre moço, aquele que se perdeu no seu olhar para o Mundo. Se despediu da alegria cotidiana e entregou a quem interessasse seu destino e suas opções. Mudou o discurso contraditório e fez valer a rigidez cinza dos moralistas de plantão. É mais uma cria da vida medíocre que engole os sonhos de quem se atreve a querer.

O palhaço da vida se esquivou do abismo da sorte e foi buscar abrigo no colo da mesmice, aquele que consagra os tolos e esconde o brilho dos diversos. Se foi para sempre quando entendeu a indecência que é a vida próspera e sagaz, quando viu o feio nos olhos azuis do bom moço e quando encarou a triste verdade que é a censura aprovada e replicada.

O palhaço deixou a vida livre para se esconder dentro de um alguém apático, de um alguém que quer o mesmo que todos, que nem sabe o que quer e que de nada tem certeza. É ele, um ser mutilado, o desvalido indecente que se escondeu da vida que não lhe pertencia.

O palhaço se foi, mas antes, abençoou o injustiçado, beijou o inocente e perdoou seus governantes. Caminhou por horas a fio até a bota preta desgastar, até seus pés racharem, até cair. Nessa hora, olhou para o céu azul e pediu que um sinal viesse em seu auxílio. Foi quando apareceu um menino negro com olhos enormes e sorriso largo. Estava entregue a resposta que tanto buscava… a esperança que viu refletida no rosto de um qualquer, que poderia nunca chegar a lugar algum, mas que jamais deixaria de sorrir.

O pobre palhaço conseguiu perdoar a si próprio pela descrença na sua alegria e seguiu adiante sorrindo para o Mundo que lhe proibiu de acreditar…

Fui! (Consagrar aquele que me faz sorrir…)

Se eu for…

março 6, 2018

mae4

Se eu for embora primeiro, por favor, não fique triste. Saiba que era o meu desejo ir antes de você, sair de cena enquanto você continua a brilhar e encenar o espetáculo que é a sua vida.

Se eu for antes, saiba que eu vou feliz porque vivi os melhores momentos da minha vida ao seu lado, ao lado de quem me fez tão plena… saiba que, de tudo o que vi nesta roda giratória chamada “vida”, foi o seu sorriso o que mais me cativou, aquele espontâneo, que me faz parar sempre para admirá-lo.

Sou eu, sua mãe, quem pede aos Deuses a oportunidade de ver você caminhar com seus próprios pés, livre e linda, do lado daqui ou mesmo do lado de lá… porque o que importa para mim é dar a você o melhor que eu puder: o meu amor, o meu tempo e a minha vida.

Então, de novo, se eu for antes, não chore. Sorria e agradeça. Eu consegui o que queria: continuar te vendo, sempre.

Fui! (por hora, até a esquina…)

Você Não Está Sozinho…

março 4, 2018

Você acha que está sozinho, acordado no meio da noite e esperando que as boas notícias cheguem mas, acredite, você não está sozinho. Eu estou aqui, bem ao seu lado, esperando pelo melhor e rezando com você. 

Estou aqui, onde sempre estive, do seu lado direito. Daquele lado em que sussurro todos os valiosos conselhos que te trouxeram seguro até este ponto… estou bem aqui, esperando que você recupere a sua força, a sua esperança. Estou aqui, torcendo pela sua mãe, tanto quanto você. Estou lamentando as suas dores e agradecendo pelas suas vitórias. Sou mais um, dentre tantos, que celebra a alegria de te ver vivo mais um ano e mais tantos outros anos que ainda virão.

Não consigo apagar os momentos ruins nem fazer com que os bons momentos aconteçam, mas posso te incentivar a seguir pela mesma estrada reta que tenho te guiado, e posso atrair para a sua vida toda a mágica que faz você se encantar e sorrir. Posso fazê-lo encontrar motivos para respirar aliviado mesmo quando tudo parece desmoronar; muitas vezes, só preciso te lembrar deles, dos seus amores, aqueles que estão logo ali, mas que você acaba se esquecendo no meio do tumulto da sua dor…

Você não está sozinho em nenhum momento de aflição ou regozijo; não está sozinho agora e não estará mais para frente… o tempo todo eu estive aqui, você só não havia percebido a minha presença porque não conseguiu me ouvir direito. Mas eu estou aqui, bem ao seu lado…

Fui! (cuidar de você…)

“Mais Uma vez…”

fevereiro 26, 2018

Me sento tranquila em uma esquina fria para tomar mais uma xícara de café. Sinto a saudade invadir a minha alma ao mesmo tempo em que paro e escuto meu coração. São tantas memórias, tantos momentos, que nada parece afastar a sua lembrança.

Mas à medida em que saboreio o gosto amargo do meu café preto, sinto um calor me abraçar por inteira, como se o vento gelado assoprasse afagos e não calafrios. Escuto as mensagens de um outro dia; elas foram editadas, mas seu conteúdo permanece o mesmo, a espera de um sinal, a espera de nós… se fui vazia ou se fui relapsa, saiba que fui tão somente, verdadeira. Mas fui amante e fui fiel ao que sentia, então não te peço perdão, te peço apenas “mais uma vez”.

E se esse mais não vier nunca, escuto de novo o vazio do vento, em sinais de renovação e esperança. 

Enquanto isso, sigo tomando meu café amargo, que fica cada vez mais doce à medida em que o tempo passa…

Fui! (pedir um pouco mais…) 

 

Um Pouco de Mel…

fevereiro 21, 2018

De todos os sorrisos de satisfação que encontro pelo caminho, escolho o seu sorriso de esperança. Me contento em ter você no reflexo da minha mente, esperando por mim em algum lugar que não consigo descrever…

Sou eu, na versão mãe e amiga que se despede de você na sua versão adulta e segura. Sou eu, entregue às memórias tão doces, que agora gritam o gosto amargo de não ter você dependente de mim. 

Somos eternos passantes que exploram o mundo com diferentes olhares, mas o meu está sempre apontando para você. Sou eu, a admiradora da sua vida, aquela que está ali, contando os segundos para saber as novidades da sua vida e que demora para dormir pensando se você está bem, mesmo sabendo lá no fundo, que você está ótima…

Acredito nas suas escolhas, confio na sua força e aprecio a sua segurança; mas confesso que não consigo me acostumar a viver sem o seu chamado constante, aquele que ecoa até as esquinas mais apagadas da minha mente e que me faz querer voltar por um caminho que já se desfez.

Sigo apreciando o sabor doce de ter você na minha vida, e aprendo a cada dia a conviver com as doses amargas da sua ausência nela…

Fui! (saborear meus doces momentos ao seu lado…)

Eu Vou

fevereiro 16, 2018

caminhotorto

Me diga onde é o norte que eu vou. Apenas me ajude a achar o caminho e eu serei eternamente grata pela dica. Muitas vezes, a única coisa que precisamos é de algumas palavras que nos indiquem para onde ir e por qual bifurcação não nos perderemos tão facilmente…

Sutilmente troco de sapatos quando percebo que o terreno é arenoso e, ainda que chova, continuarei a andar até encontrar o que busco. Sou mais eu, em uma versão menos perdida que te agradece a ajuda, mas que permanece à espreita, aguardando alguma carona para aliviar o peso dos meus pés cansados de tanto correr.

E quando chego ao destino final, já é tão tarde que não me dou conta de que esse caminho não era o certo, que eu deveria ter seguido pela outra estrada, aquela com mais paradas e distrações. Percebo que deveria ter sido mais leve em minha caminhada, ter dado mais risadas e relaxado mais… então volto a seguir meu caminho, agora em uma nova estrada, onde tento aproveitar melhor a paisagem que insiste em me saudar em um entardecer alaranjado e cheio de vida.

Vou seguir até o ponto em que me sinta cansada e, depois de descansar, vou caminhando por aí até encontrar o fim. E, quando este chegar, vou tentar de novo e sempre…

Afinal, o norte está bem ao lado e o rumo da nossa vida está aí, na ponta dos nossos pés…

Fui! (seguir para o norte…)