O Boneco da Suzy

Já dizia o velho e bom doutor, no alto do seu conhecimento e altruísmo louvável, que a solidão dói demais para quem padece de um singelo abraço fraterno. Sejamos mais iluminados em busca do amor ao próximo, sem julgamentos e contestações, sejamos mais elevados e parecidos com o Deus que cultuamos, que nos socorre nos momentos de dor e apreensão, quando já estamos tão fartos do nosso egoísmo que quase desistimos de nós mesmos…

Deixemos as mãos limpas do sangue de outrem; do pecado insano que nos acomete e que nos mata um pouco a cada dia. Sejamos fortes diante do testemunho da fé, que outrora nos entrega desgosto e engodo, em um misto de intolerância e ódio.

Perdoa-nos Pai, por não conseguirmos ter empatia pelos que vestem a roupa da profanação, da heresia e da blasfêmia, sem medo e sem pudor, sem respeito e sem pena do amanhã que carregaremos com os ombros calejados de tristeza pela morte prematura do cordeiro que serviu aos delírios de um monstro que gosta de “abraçar”…

Alguns dizem que o fim dos tempos está próximo; perguntemos à Suzy, entre uma carta e outra, o que ela acha…

By Cris Coelho

Cris Coelho

A minha literatura é livre de estereótipos, padrões e convenções. Ela entrega poesia onde há cotidiano. E renova minha fé em mim e no mundo. Cris Coelho, Escritora & Poetisa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.