Despedi-me de Mim…

Despedi-me de mim em doses contidas de tesão e vontade; fui fraca mais uma vez ao deixar que meus vícios se sobrepujassem ao prazer pueril de vestir-me de santa, quando na verdade o que mais quero é sentar-me nesse altar nefasto, cheio de sujeira viril e feromônios incrustados nas dobras do seu corpo, que exala cheiro de sexo e transpira desejo…

Cris Coelho

A minha literatura é livre de estereótipos, padrões e convenções. Ela entrega poesia onde há cotidiano. E renova minha fé em mim e no mundo. Cris Coelho, Escritora & Poetisa

Deixe uma resposta