Uma Avenida Chamada Vida

Entre tantas vírgulas, reticências e pontos finais, encontramos nossa arte no caminho escolhido e respiramos um pouco de nós a cada sorriso faceiro que esboçamos, no entardecer de um dia nublado. Somos levados ao limiar da nossa dor, mas não ousamos entregar-nos ao abismo da saudade, porque sempre acabamos nos lembrando que existem mais de nós espalhados por esse mundo enorme, em cada esquina iluminada, em cada frase de bem-querer e em cada música do nosso repertório de histórias.

Para continuar lendo o restante do texto Faça Login ou Cadastre-se.

Cris Coelho

A minha literatura é livre de estereótipos, padrões e convenções. Ela entrega poesia onde há cotidiano. E renova minha fé em mim e no mundo. Cris Coelho, Escritora & Poetisa