Muito Longe Dali…

Muito longe dali, escuto os passos do meu pai tentando apagar o fogo que insiste em se fazer presente no meio da sala pequena; aproximo-me e vejo seu rosto flamejar ruborizado, cheio de dor e pena de si próprio. Abraço a Teka com medo e, sem opção, fujo dos meus pensamentos para um lugar gelado e escuro. Sento-me no canto da sala e espero ansiosa minha vida passar por mim. 

Para continuar lendo o restante do texto Faça Login ou Cadastre-se.

Cris Coelho

A minha literatura é livre de estereótipos, padrões e convenções. Ela entrega poesia onde há cotidiano. E renova minha fé em mim e no mundo. Cris Coelho, Escritora & Poetisa