As Gárgulas de Notre Dame

Olhei-vos, pois, por tempo demasiado; tratei-vos com o respeito que pedistes, com a calma que clamastes e com a misericórdia que suplicastes. Elevei-vos à condição de nobres humanos que podiam adentrar o meu palácio sem que mal algum, de todos os séculos, guardado em meu interior, regurgitasse sobre vocês. Esperei a volta dos justos, que não aconteceu; anoiteci os dias mais cedo para fazer cessar a fúria de uns tantos que se encantavam por provocar o Senhor da Morte.

Para continuar lendo o restante do texto Faça Login ou Cadastre-se.

Cris Coelho

A minha literatura é livre de estereótipos, padrões e convenções. Ela entrega poesia onde há cotidiano. E renova minha fé em mim e no mundo. Cris Coelho, Escritora & Poetisa