Sem Mais Delongas

Nada que eu faça vai mudar o que sinto. Vou tentar esconder dentro do meu peito endurecido de tanto apanhar, a verdade que escondo de mim, até a hora em que me deito. E sem querer me lembro do quanto fui feliz nesses natais intermináveis, nessas conversas fúteis e nas horas em que o tempo parecia congelar. Hoje sou mais inquieta com meus sentimentos, ao mesmo tempo em que sou mais acomodada com a realidade que me vence todas as vezes em que sinto algo que não está ao alcance das minhas mãos.

Para continuar lendo o restante do texto Faça Login ou Cadastre-se.

Cris Coelho

A minha literatura é livre de estereótipos, padrões e convenções. Ela entrega poesia onde há cotidiano. E renova minha fé em mim e no mundo. Cris Coelho, Escritora & Poetisa