O Tempo

img_1176

O tempo passa implacável por nós. Ele nos devora com a mesma intensidade em que nos inebria, que nos ilude. Pensamos ser senhores do nosso tempo, mas a verdade é que somos reféns dele, do marcador incostante que determina quando nossos amados sairão de cena e quando os novos brancos começarão a frequentar nossas cabeças.

São tantas as recordações que queremos de volta, são tantos os abraços que nos faltam.Tudo o que acalma a alma é reflexo do que o tempo nos permite sentir. Nos sentimos anestesiados em cada lembrança e não conseguimos perceber a importância de cada momento, até que ele se esgote, até que a vida mude, até que o tempo pare.

Nas lacunas da nossa vida está a saudade, a lembrança, as melhores partes da vida vivida ao lado dos nossos. E são essas recordações que gritam para que não paremos de caminhar. São elas, que nos mostram em cada reflexo, que precisamos seguir adiante. A força que nos move é a mesma que nos lembra de tudo que passou e de toda estrada que ainda deve ser percorrida.

Mas quando nos sentimos cansados, olhamos um pouquinho através das frestas das nossas lacunas, pedimos permissão ao tempo e, paramos para admirar esse espetáculo, chamado vida…

Fui! (Parar o tempo um pouquinho…)

A Reza do Mais Forte

arezadomaisforte

Rezemos todos a nova oração, entoada pelo hino do mais forte, guiada pelos santos consagrados na igreja da religião autorizada. Vamos agradecer ao novo senhor loiro, a chance que temos de servir. Seremos excomungados do ritual se não comprarmos, mas a nossa casa tem que ser bem mais distante do que era.

O Mundo ficou pequeno demais para tantas cores, para tantos idiomas. Agora vamos unificar o pensamento e consumir mais supérfluos. Vamos gastar o que ainda nos resta, antes que a grande onda nos alcance… se remarmos contra a corrente vamos nos deparar com policiais brancos, entorpecidos com armas poderosas, que mais se parecem com guerreiros medievais.

Do lado de lá, atrás da outra igreja, aquela que não prioriza o consumo, mas sim a obediência, estão os outros senhores, os de barba preta. Eles também oferecem a salvação da nossa alma se entregarmos nosso corpo, nossa mente e nossos filhos.

São exércitos poderosos, fortes… mas minha mãe de santo me disse que isso tudo vai acabar logo, logo… e não importa a oração, não importa o tom, não importa a fé. Seremos todos engolidos pela humanidade, que de humana já não tem nada.

Fui! (rezar a minha reza e pedir proteção deles, os senhores da intolerância…)