Fetiches

Fetiches… Cada um tem o seu. São formas diferentes de se excitar, de chegar ao tão famoso “orgasmo”. Que delícia… Não existe problema em desejar, seja lá o que for, para se obter prazer. No quesito de “prazer sexual”, todas as formas de prazer, ou melhor, quase todas, são válidas.
O problema existe, quando a motivação para se buscar esse prazer passa de involuntário desejo físico a consequente deturpação de possíveis traumas do passado.
Existem, claro, os casos patológicos, que devem ser tratados com urgência e profundidade. Mas a urgência também é necessária quando “bizarrices sexuais” são tidas como atos cotidianos de prazer…
Ah… Que saudade do tempo em que “suruba” era algo indecente!
Fui! (rezar 20 pai-nossos para o fim dos tempos que se aproxima! E olha que eu sou dona de Bordel…)

Links:
http://g1.globo.com/planeta-bizarro/noticia/2012/11/lista-traz-apaixonada-por-esqueleto-e-outros-fetiches-bizarros.html

http://www.sitedecuriosidades.com/curiosidade/11-curiosidades-sobre-sexo.html

Desconstrução

Quantos traumas não sofremos no percurso da vida? Quantas dores suprimimos? E quantos desafetos recebemos? Todos os encontros e desencontros ruins, os infortúnios e os desapontamentos formam juntos, uma grande massa de concreto que nos paralizam, nos amedrontam e nos moldam dentro de uma realidade “possível”. Criamos uma “máscara” para continuar a viver sem impedimentos e, se não for muita ousadia, sempre deixamos um ponto de inflexão exposto, para o caso de precisarmos quebrar esse bloco de cimento, que nos impede de respirar plenamente.

Quem sabe onde está o fim de uma estrada? E quem sabe se vamos conseguir chegar no fim dela? Por mais irônico que possa parecer, “viver” é uma arte. A “arte de viver”. Pode ser difícil ou fácil, depende do cenário, do horário, dos patrocinadores. Mas na maior parte das vezes, depende mesmo é dos “artistas”. E não é demérito errar a fala, esquecer as marcações, fechar para balanço. Errado é não se expor com medo de pisar no palco…

Existem várias formas de pedir ajuda. Existem remédios, médicos, terapias. Existem várias possibilidades para nos desconstruirmos e nos reiventarmos melhores artistas para a vida.

E, se o carro enguiçar antes de chegar no final da estrada, sempre podemos nos desfazer dele e comprar outro, com mais acessórios de segurança, mas também com teto solar…

Fui! (quebrar um pouco do meu cimento…)