Marionetes

Image

Às vezes pensamos que temos opções, que somos donos do nosso destino, da nossa vontade. Que somos os condutores. Só que o carro, na verdade, está no piloto automático. Acontece o tempo todo, em inúmeras histórias do cotidiano. Em alguns casos mais sutis, não se percebe tanto. Já em outros, a coincidência torna-se notória e impossível de não se notar.

Conheci uma mulher, com uma história curiosa: engravidou, na época com 18 anos. Por ser muito jovem e acreditar ter uma vida inteira pela frente cheia de emoções e realizações em várias ramificações da sua vida, preferiu adiar o projeto de ser mãe e abortou. Anos mais tarde, se deparou com um cenário singular: teve dificuldades para engravidar, precisou recorrer a um tratamento e teve quadrigêmos! Claro, precisou deixar o trabalho, no qual era bem sucedida, e se dedicou exclusivamente ao projeto “mãe”. Não é uma incoerência? Quando ela havia decidido seguir outro caminho, a vida a levou para onde nunca devia ter saído. Talvez sua missão fosse mesmo ser mãe… Ou talvez, apenas talvez, uma escolha errada no passado se torne um fardo tão pesado de se carregar que ela mesma tenha “produzido” esse cenário.

Outra curiosa história é a de uma mulher, que, no tempo da faculdade de fisioterapia, optou por não atender pessoas amputadas. Seu horror era tanto que chegava a sonhar com esse “fardo” em seu labor. Anos mais tarde seu marido sofreu um acidente de carro e perdeu as pernas. Ironia?

Ser uma marionete da vida é algo que devemos nos acostumar. Por isso mesmo, no roteiro da vida é importante decidirmos qual estrada vamos seguir e não nos enveredarmos pelo caminho mais fácil. Já dizia o ditado: “o barato sai caro” e bom mesmo é estarmos sempre em acordo com ele, o senhor do nosso destino.

Fui!  (pensar melhor nas “minhas” escolhas…)

Síndrome do Filho Único

Existem várias síndromes no mundo. Algumas terríveis e outras mais “lights”… Mas a síndrome do filho único é, sem dúvida, uma das mais abrangentes e difíceis de curar. E essa síndrome, diferentemente do que o nome supõe, é estendida a pessoas com vários irmãos e também com mães perfeitamente “normais”.
É a síndrome do estado de alerta para si próprio, da busca das suas verdades, do seu ângulo do gol. É o caminho que se trilha sem se importar ou precisar de mais nada que não seja a si próprio. E o melhor restaurante é sempre aquele que tem o melhor prato, não importando os figurantes que ocupam o cenário. “O meu mundo privado” é restrito e indevassável. É meu.
E dessa forma se constroem fortalezas impenetráveis, sem passaporte vip para entrar. Os melhores amigos são o computador, a televisão e o livro. O “social status” vira a obrigação moral e as gargalhadas são cada vez mais forçadas em uma comédia sem emoção.
Conheço vários “FUs – filhos únicos” e admito: são felizes assim. A sua forma egoísta de ver o mundo não os decepciona ou os aflige; ao revés, os conforta. Seu castelo impenetrável os alivia. E as suas dores, as guardam. São mimados e cheios de manias. São típicos filhinhos da mamãe, acostumados a somar para si os bônus da vida, e a não dividí-los com qualquer um. Só com os seus filhos únicos…
Fui! (para o meu mundo particular e restrito…)

Mundo da Fantasia

Se Joca gosta de Milena, mas sente atração por Sabrina, e se Sabrina dá para Marcos, mas quer pegar a Camila, nada melhor do que uma boa “suruba” para contentar a todos e acalmar os ânimos afoitos!

Mas… E se Raquel, a mulher do Joca, e Paulo, o “namorido” da Camila, sentirem ciúmes? Aí, o caso complica… E o desejo volta para onde não devia ter saído: a imaginação sem limites que habita a fantasia cheia de carnes volumosas e peles macias do inconsciente popular.

Há casais que ultrapassam a barreira do ciúme e vão adiante na busca incensável pelo prazer. Há outros que trabalham bem na linha do desejo implícito e do erotismo à base de “sacanagem matrix” em uma outra dimensão que não está neste plano… E há, por fim, os casais que absolutamente não permitem o erotismo dividido, e nem em pensamento aceitam um olhar do companheiro para o lado, ainda que para uma simples página de revistinha indefesa ou de umas simples fotos da Carolzinha…

A verdade é que cada casal tem a sua dinâmica e não vale se agredir para beneficiar ao outro o prazer extremo. Mais vale, às vezes, ocultar a verdade verdadeira sobre os desejos instigantes que pertubam e desconcertam, se levados à margem da intolerância dos “bons costumes ortodoxos”…

Talvez por isso mesmo o sexo seja tão bom… Porque nos conceta com algo “más allá” do que estamos acostumados a atuar. Nos permite um passaporte vip a um parque de diversões restrito e exclusivo.

E, se no final, os pensamentos de todos se encontrarem em alguma esquina do inconsciente coletivo, aí sim, Joca, Milena, Sabrina, Marcos, Camila e, de quebra Raquel e Paulo, poderão, todos, vivenciar o amor em sua pluralidade ou em sua “tara” mais profunda…

Fui! (Para o meu parque de diversões no mundo da fantasia… rs)

Aventura na Disney

Minha viagem à Disney foi ótima! Obrigada. Uma hora antes de sairmos de casa o meu filho teve 40 graus de febre – coisa boba, devia ser emocional… Nada que um remedinho não resolva! Na ida pegamos as três penúltimas fileiras do avião. No meio. Tudo bem, até legal, nunca tinha ido no meio. Três horas depois de decolarmos o menino, de novo, com mais 40 graus… É, deve ser alguma “gripinha”… Mais um remedinho e boa noite! Boa noite??? Não consigo dormir reta! Não dá pra encostar… Acho que ouvi um “arrotinho”… Arro- Ai!!!! Acho que foi um vômito!!! Não importa! Levanto rapidinho e troco a roupinha dele… Pronto! Assim tá melhor… Mais uma dormidinha… Ih! 40 graus de novo! Vai mais um remedinho… Enjoou? Ui! Mais uma vomitadinha… Ai, ai… Tô ficando cansada! Troco a roupa, limpo tudo de novo e… Mais um barulho de vômito! Não, agora era do menino que estava com a família que conseguiu pegar um lugar pior que o nosso no voo… O da última fileira no meio. Nessa altura do campeonato nem pensar em café da manha de avião… Eca!

Tudo bem, tudo bem… o que importa mesmo é realizar o sonho da “Disney”!!! Finalmente chegamos!!! Não… Chegamos em Miami, tem mais um voozinho para Orlando. Tá bom! Só tem que enfrentar essas 2 horinhas de fila em pé e… Embarcamos de novo!!! Ainda bem que trouxemos o carrinho duplo para os gêmeos e o carrinho simples para a menina! Imagina essa fila sem os carrinhos prendendo esses meninos??? Embarcamos rumo à “Disney”… Chegamos!!! Oba! Já pegamos as malas agora só faltam os carrinhos que essa Companhia nos obrigou a despachar… E aí vem o simples… E agora o duplo… Ué? Cadê a roda da frente??? O quê? Quebrou e vocês não se responsabilizam??? E eu que não consigo nem brigar em inglês porque só sai o espanhol… tu hijo de una p… Tá bom… Sem stress! Afinal é só um carrinho… Compramos outro! Esse já tava velho mesmo… E vamos para… Ai! O outro menino agora tá com febre! Meu Deus!!! Não tem problema! Mais um remedinho e… Ah! Vômito de novo!!! Não!!!! Agora não tem nem mais roupa pra trocar! Deixa o menino com a cuequinha mesmo e vamos embora! Vamos para o nosso hotel na “Disney”!!!! Que emoção!

Você quer uma água geladinha? Onde tá o frigobar? Ah! Não tem frigobar. Tá bom! Esse quarto é meio pequeno, né? Não importa! Ai que vontade de tomar um banho! Amor!!! Me passa a toalha! O quê? É essa aqui? Ah! Achei que essa era de rosto… Vamos à programação!!! Parques só daqui a três dias para o antibiótico fazer efeito nos meninos… Então vamos às compras!!!

Tá meio quente aqui em Orlando, né? Humm… Só trouxe roupa de frio! Também onde moramos tava uns 10 graus… Tá bom, tá bom. Confesso. Eu esqueci tudo! Temos que comprar aqui. Mas que bom! Só assim renovamos nosso guarda-roupa! Tá bom… Economizamos em outra coisa, não importa! Só importa chegar ao “Magic Kingdom”!!!

Chegamos!!! Acho que vou chorar!!! Vamos tirar fotos!!! Ei, menino! Olha pra mamãe, querido! Olha pra mamãe! Olha pra mamãe, porra!!!! Ai que saco! Não consigo tirar fotos dos três! Quando um olha para mim os outros olham para o lado! E o meu olho tá ardendo por causa do protetor… Que sol!!! Tudo bem! Vamos para os brinquedos! O das bonequinhas, que é tão fofo! Quanto tempo? 50 minutinhos de fila? Tá bom… Estamos na “Disney”! Mas… que brinquedinho mais chato! Vamos para o da Branca de Neve! É tudo tão mágico aqui… Que isso menina! Por que tá tão apavorada? Tá bom, eu sei… A bruxa má… Mas vai passar! É… é meio assustador mesmo. Ufa! Acabou! Vamos para o outro… E anda, anda, anda… Ai, que peso esse carrinho! O brinquedo do Dumbo! O quê? 40 minutos! Vamos comer? Um cheesburger! Que delícia! Quanta batata! Hum… Ai, cama!!! Que delícia! Ai, acho que aquela “batatada frita” me fez meio mal… Amanhã. mais parque: oba!!!

Nossa, o sol tá forte hoje, hein? Mas não importa! Estamos na “Disney”!!! Olha a Minnie Ali! Vamos tirar foto!!! Corre! O quê? A fila tá encerrada? Não pode mais tirar foto? Mas… Please…. Tu hijo de una…. Não chora filha, a Minnie é feia! Vamos procurar as princesas! Ah… Nao tem mais vaga para o “Dia de Princesas”? Tinha que ter reserva? Não importa! O sonho é estar na “Disney”! Vamos na bola do Epcot! Quanto tempo? 70 minutos? Ok! Trouxe o boné? Caminha, caminha, caminha e… 70 minutos de fila. Caminha, caminha e mais 50 minutos… Tô cansada! Amanhã, mais parque. E mais parque. E mais parque! Não aguento mais andar nesse calor! Não aguento mais batata frita! Não aguento mais o Mickey!

Vamos embora. Acabou! Que pena! Mas que alívio também! Já estou meio velha pra tanta caminhada… O voo tá atrasado? 2 horas? Vai dar tempo de pegar a conexão? Chegamos justo! Corre! Aonde é o terminal? No último? Tá bom, então: corre! Ai, tô sem ar! Ui! Chegamos!!! Vamos entrar? O que? Você perdeu os passaportes dos meninos??? Ficou na polícia em Orlando? Mas estamos em Miami!!! Vamos ter que levar as 11 malas ? Então temos que alugar um carro… Mais dois quartos de hotel. Eu sei que não havíamos programado… Vamos ao Consulado? E a Interpol??? Temos que ir à Interpol?

Ai… Mickey, te odeio!!!

Fui! (pra bem longe da Disney!)